O trabalho de imagem nem sempre é visto, mas é sentido

O trabalho de imagem passa, muitas vezes, despercebido, mas nem por isso deixa de ser fundamental, quando o procuramos como uma forma de elevar o nosso potencial.


Queremos ver a diferença e estamos habituados a procurá-la em grande escala.

Neste caminho, a visão, muitas vezes, deturpa o sentir, pois procuramos grandes mudanças, e se não forem vistas, não são vistas como mudanças.


Mais do que ver, é fulcral o que se sente com o trabalho que fazemos em nós. Mais do que mostrar ao outro, é essencial o que fazemos por nós e o que isso nos faz sentir, e que tem reflexos no outro, na forma como nos perceciona.


Na minha experiência pessoal e profissional, frequentemente, a diferença para quem procura consultoria de imagem está nos detalhes, que não são percetíveis aos olhos de quem quer ver em grande para crer no resultado, mas aos olhos de quem sente o que vê e faz por si.


Já te aconteceu alguém te dizer que pareces diferente, embora não tenha percebido o que é?

A mudança externa tem a capacidade de influenciar internamente a confiança e a leveza que podes sentir. Então se procuras ter impacto, procura-o primeiro em ti, porque tentar criar impacto no outro sem o sentirmos em nós é criar um vazio e uma desconexão entre o que sentimos e o que transmitimos.


Estamos na Era de Sentir, de Ser. E a imagem pode ajudar-nos como uma ferramenta de Ser e de Sentir. É esta a minha motivação na 4Hands, ajudar-te a Ser para Parecer.

Eleva o teu potencial através da tua Imagem.


Marca a tua sessão gratuita de esclarecimento, de 30 minutos. As vagas estão abertas para fevereiro e março.


Carinhosamente,

Joana Ribeiro

info@4hands.pt