Construir novos hábitos é para todos

Hábitos constroem-se com a repetição do comportamento que desejamos inserir e integrar na nossa vida.


Um dos maiores desafios que eu tive na minha vida e que me levou a uma depressão foi não saber parar, pausar, descansar. E o sentimento de culpa que se seguia se o fizesse, como se não parar fosse sinônimo de produtividade e melhores resultados.


Não sabia o que era parar e respirar, pois nunca nada estava acabado e se estava já havia algo mais a fazer. Se estivesse parada não estava parada, estava com algo em mente, uma preocupação, uma coisa da lista de coisas para fazer ou outra coisa qualquer. Enchia a mente de tarefas, e esquecia-me da minha principal necessidade, parar, respirar, refletir, auto-observar-me, ouvir o meu corpo, aprender, re-ajustar e continuar. Não havia zona de conforto. Tudo era stressante e feito com esforço. O botão automático não se desligava até o meu corpo não poder mais.


Hoje parar não é um luxo, principalmente num meio caótico em que estava habituada a viver. Parar é saúde, bem-estar e qualidade de vida e foi um hábito que precisei integrar em mim. Parar é reenergizar para continuar. É desacelerar para equilibrar. É desapegar e deixar ir o que não é necessário, (muitas vezes aquilo que achava necessário não era realmente necessário). A saúde que perdi é passado, e hoje sei que a cura é possível e faço dela a minha prioridade.


Fazer pausas é uma necessidade, mas não fico na zona de conforto, pois a minha vontade de evoluir, crescer como pessoa é mais forte. E levo o trabalho e tudo na minha vida com respeito e leveza.


Com carinho,

Joana Ribeiro,